Fotografar de graça por experiência: sim ou não?

quarta-feira, janeiro 27, 2016

_MG_0789

Esse post é dedicado a todos os iniciantes na fotografia. 


A dúvida de muitos fotógrafos iniciantes é como conseguir montar um portfólio quando se está começando nessa área e a ainda não possui clientes. Muitos começam fotografando amigos e parentes e por começar fotografando de graça, muitas vezes não conseguem se livrar desse status e conseguir clientes que paguem o valor real do seu serviço. Acredito que o início de muitas carreiras tenham as suas dificuldades, porém acredito que, na maior parte do tempo, essa dificuldade parece maior para quem trabalha com artes. 


Eu comecei fotografando aqui para o blog e divulgando minhas fotos nesse espaço. Fotografei amigas, algumas crianças da família e com o tempo fui expandindo para reais clientes! Não foi fácil. Eu não sabia quanto cobrar, como cobrar, como oferecer meus serviços, como ter certeza de que determinado cliente realmente iria me pagar - foi preocupada com esse último item que desenvolvi meu contrato de prestação de serviços. Se vocês quiserem, podemos falar sobre isso em outro post, ok?!


Equipamentos fotográficos são caros, realmente caros. Tive consciência disso desde o início quando comprei minha primeira câmera compacta (parecia baratinha para uns, mas para as minhas condições na época, foi um investimento e tanto). Ainda não sei como tive coragem (ou como as pessoas tiveram coragem) mas ganhei meus primeiros R$150,00 naquela época. Esse era o valor que eu cobrava para fotografar naquele tempo e com aquela minha câmera compacta da Sony. Eu precisava cobrir o dinheiro da câmera que havia comprado e ainda juntar dinheiro para comprar uma câmera que fosse pelo menos uma semi-profissional e passasse mais credibilidade para os clientes.



Com a câmera compacta da Sony, comecei a montar meu portfólio. Postando minhas fotos nas redes sociais, aqui e ali aparecia alguém pedindo orçamento - e eu continuava sem saber quanto cobrar. Passei a investir mais no meu conhecimento em fotografia (afinal, eu estava aprendendo por conta própria) e em 2012 comprei a minha Canon T3i, a câmera que usei por muito tempo - ainda uso, pouco mas uso! Atualmente tenho uma Canon 70D, mas foi com a Canon T3i que passei a fotografar mais e a ganhar mais por isso. Nessa época comecei a precificar melhor! Até chegar ao ponto de conseguir cobrar o valor de mercado pelo meu trabalho, demorou bastante mas valeu a pena.


Do início até a T3i, fiz alguns ensaios for freeEu não gostava de trabalhar de graça, ninguém gosta, não é mesmo?! Sim, trabalhar! Para as pessoas, a minha fotografia não era trabalho porque eu gostava de fazer aquilo. Afinal, você tem uma ótima câmera, gosta de fotografar e como dizem por aí: É só apertar um botão, pô!


NÃO, não é. 


Fiz alguns ensaios de graça e não me arrependo, porém não faria novamente. Com o tempo e a experiência passei a cobrar de qualquer pessoa, mesmo que as mais próximas e hoje todos sabem disso. Mesmo que seja um valor simbólico ou uma ajuda de custo (no caso de pessoas da família ou amigos muito íntimos) todos sabem que eu cobro pelo meu trabalho, porque esse É o meu trabalho. Com o tempo fui percebendo que fotografar de graça ou não precificar corretamente -para algumas pessoas - desvalorizava não só o meu trabalho mas também o trabalho dos meus colegas fotógrafos. A partir do momento que eu fotografo de graça, estou passando a mensagem de que você não precisava pagar um profissional pelo serviço de fotografia.


Ok, mas se você está está lendo esse post é muito provavelmente porque é um iniciante na fotografia e ainda tem dúvida de como conseguir clientes para finalmente ter um bom portfólio. A minha dica é:


[eltdf_blockquote text="Faça freelancer para empresas e fotógrafos da sua cidade. " title_tag="h2" width="50"]


Como freelancer de outro fotógrafo ou de uma empresa você vai ganhar bem abaixo do que a empresa ou fotógrafo responsável pelo ensaio ou evento ira receber. Por exemplo, se o fotógrafo irá receber cerca de R$3.000,00 ao fotografar um batizado, provavelmente ele te pagará cerca de R$300,00 reais pelo seu freela. O freelancer, geralmente, entrega as imagens cruas e o fotógrafo principal faz todo o resto - seleciona, edita, finaliza, entrega ao cliente. Você será a segunda câmera dele, fará imagens de cobertura. Apenas para deixar bem claro, esse é um exemplo pois o valor que o fotógrafo ou empresa poderá te pagar vai depender de muitas coisas. O valor pago depende muito do local em que você mora, do tipo de evento, das horas de duração do evento e até mesmo do tipo de equipamento que você usa.




  • Ser segunda câmera tem muitas vantagens para quem está começando. A primeira vantagem é que você se cobra menos e também é menos cobrado. A cobrança mesmo fica em cima do fotógrafo que foi contratado para o evento (a pessoa que vai pagar você), afinal é o nome dele ou da empresa dele que está em jogo e todo o trabalho com a pós produção será dele.

  • Você aprenderá com alguém que tem mais experiência que você, afinal você está começando.

  • Você aprenderá a lidar melhor com os clientes e até poderá ganhar clientes a partir dali.

  • Ganhará experiências em eventos como casamento, festas, batizados, etc.

  • Ganhará algum dinheiro com o que você ama fazer!


Lembre-se que esse é apenas o começo e, como falei lá em cima, começos são mesmo mais complicados. Com o tempo e a prática tudo melhora, o segrego é não desistir e estudar muito, muito mesmo! Além de estudar, invista em equipamentos melhores e cursos. Confie em você! Se alguém te procurou, mesmo sabendo que você está começando na área, é por que essa pessoa gosta da sua forma de fotografar e editar.


Se você gostou desse post e gosta de assuntos relacionados a fotografia, me deixa saber! Avisa nos comentários e me diz o que você gostaria de ver por aqui com esse tema. Ta iniciando na fotografia? Me conta! Aproveita e me diz o que achou do tema de hoje.


Somos todos loucos aqui!

You Might Also Like

8 comentários

  1. Amei demais esse post! Eu tb comecei fotografando pro blog, com o celular mesmo. Depois investi em uma câmera dslr e comecei a pegar algumas amigas como modelo pra montar meu portfólio (que aliás foi pro ar hoje, hahaha). Eu já tenho um valor definido por ~pesquisa de mercado, mas mesmo assim dá um super medo. Aquilo de: será que vai dar certo? Btw, adorei suas dicas e depois quero ler sobre o contrato que falou! Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Que bom que gostou! Como disse, começos são assim mesmo. Com o tempo e a experiência as coisas vão melhorando. Boa sorte! Manda o link do seu portfólio, quero ver! :D

    ResponderExcluir
  3. Estou iniciando nesse ramo! Muito amor pela fotografia. Faz post do qual programa voce edita suas fotos.
    Adoro todas.
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  4. Adorei demais esse post!!!! Esse ano vou começar a cursar fotografia em uma facul aqui da minha cidade e, apesar de fazer arquitetura também, quero muito seguir com a fotografia como profissão e não só hobby. Me ajudou muito suas infos Alana! :)

    ResponderExcluir
  5. Eu sou diretora de arte e mesmo assim super entendo. Aliás, aquela frase que você disse sobre ser mais difícil pra quem trabalha com artes é muito verdadeira. As pessoas acham que tudo é fácil, que não toma tempo e o orçamento é sempre caro demais.
    Até hoje, toda vez que tenho que passar um orçamento fico na dúvida de quanto cobrar, e quando é algo que eu vou fazer ~pela primeira vez ~ fico insegura em por valores, mas vamos aprendendo aos poucos.

    Achei essa dica de fazer freelancers para fotógrafos profissionais excelente e acho que super funciona nessa área ;)

    Beeijo
    Resenhando Sonhos

    ResponderExcluir
  6. Amo fotografia, e fico com ela mais por hobbie do que por profissão.
    Já tentei me profissionalizar mas criar um "nome", uma marca é bem difícil.
    Escreve um post depois sobre a sua experiência construindo seu nome no mercado!

    Ahh trabalhei muito de graça, fiz bons trabalhos e aprendi bastante com isso. Acho válido esse primeiro contato prático, mesmo sem receber!

    Grande Beijo.
    www.milacasos.com

    ResponderExcluir