Mais amor, por favor!

By Alana Aguiar - domingo, outubro 20, 2013

As coisas começaram a mudar quando saí da casa dos meus pais para morar em outra cidade por causa da universidade. Ok. Essa parte da história vocês já conhecem. O que vocês não sabem é exatamente aquilo que eu nunca escrevi aqui no blog: os motivos.

Foi na universidade que conheci pessoas que me fizeram sentir como se eu estivesse constantemente naqueles filmes “High School”, a diferença era que eu não estava mais no ensino médio (e, ao contrário da vida universitária, meu ensino médio havia sido perfeito). Sempre fui muito baixinha e muito magra, com cabelos cheios e volumosos. Ouvir coisas como boatos de que eu tinha bulimia, ouvir/ler apelidos por causa disso ou relacionados ao meu cabelo começou a me desestruturar. Quando cortei o cabelo bem curtinho, cheguei a ouvir todo tipo de comentário. Sentia vergonha do meu corpo, do meu cabelo, de mim. Mas o pior era chegar em casa e ler comentários na internet de pessoas que sequer me conheciam, pessoas que só queriam “vomitar” nos comentários. Eram dias e mais dias com imagens e palavras que ofendiam não apenas a mim, mas aos meus amigos, familiares, crença e relacionamentos. Esses foram os motivos de ter excluído o meu primeiro blog.

 Me afastei durante UM ANO de TODAS as redes sociais, todas! Aos poucos fui me afastando das pessoas, me fazendo “invisível” na faculdade e não confiando em ninguém. Escolhi atrasar um semestre do curso para sair da turma em que eu estava, mesmo sabendo que isso me faria ficar um tempo a mais por ali. Escolhi não tocar no assunto, não me defender, apenas passar desapercebida mesmo. Não demorou muito para que eu desenvolvesse síndrome do pânico. Eu estava longe dos meus amigos de infância, da minha casa, dos meus pais e morando em um quarto sem janela.

Foi em 8 de outubro de 2011, numa madrugada de solidão e muita saudade de ter um blog (mas também de muito medo de que tudo de ruim acontecesse novamente), que decidi criar o meu mundo “perfeito” outra vez. Ao menos no blog eu poderia mostrar o lado da minha vida que eu queria que fosse para sempre. E assim surgiu o SE EU FOSSE ALICE.

O blog nasceu com uma promessa a mim mesma de que eu não iria mais deletar o que eu gostava por causa dos outros. Foi incrível como em pouco tempo foram surgindo leitores/seguidores que se identificavam com os posts, que gostavam das minhas fotos e também gostavam de mim. E, OMG! O que antes era tão criticado (meus cabelos) passou a ser um dos motivos do grande número de visitas ao blog! Comecei a receber comentários e e-mails de pessoas que diziam entrar no blog só para ver as fotos, pois as minhas imagens faziam bem, ou como disse uma leitora “suas fotos transmitem um sentimento bom”.

Comecei a fazer amizades virtuais com leitores e outras blogueiras, pessoas que passaram a saber um pouco de tudo que acontecia, tudo que eu sentia e o quanto eu precisava de cada um.  O blog completou 2 anos na segunda semana desse mês. Dessa vez eu não queria escrever apenas um texto em comemoração ao aniversário do blog, queria abrir um assunto que ainda é tão pessoal, porém não mais tão difícil quanto antes. Durante esse tempo, percebi que a imagem tem um poder enorme de nos fazer sentir algo realmente bom. Algumas amigas blogueiras e fotógrafas me enviaram imagens para o post de hoje, algumas com frases pra gente refletir. São fotos de apoio CONTRA o Bullying e o Cyberbullying para ajudar você, que passou ou passa por isso, a superar.


 O blog cresceu e vocês me ajudaram a seguir em frente mesmo sem saber. O meu mais sincero “MUITO OBRIGADA” a todos vocês leitores fofos do Se eu fosse Alice. 
 Foto: Thaís Wandrofski
Foto: Jaqueline Lima
 Foto: Dani Nogueira
"Meu amor vai mais alto que o vôo das andorinhas"


Se você passa por algo assim, não tenha medo de pedir ajuda, de falar sobre isso (ao contrário do que fiz no início). Apoio e ajuda são fundamentais pra gente dar a volta por cima. Se você tem alguma história sobre bullying ou cyberbullying deixa nos comentários ou manda um e-mail para seeufossealice@live.com Gostaria de saber a história/opinião de vocês.

Vou indicar algumas blogueiras (todas do post de hoje!) para falar sobre esse assunto, como uma TAG mesmo, ta?! E quem mais quiser também pode responder e depois enviar o link pra mim. Vou adorar ver! Vocês podem responder no blog de vocês ou através de vídeo. O importante é apoiar e conscientizar as pessoas sobre esse tema que pode mudar tanto a vida de alguém.

Obrigada, pessoal! Com carinho.

  • Share:

You Might Also Like

12 comentários

  1. Coisa lindas essas fotos.
    Mais amor, Please!

    ResponderExcluir
  2. Alana, seu post ta lindo! Obrigada por me deixar fazer parte.

    ResponderExcluir
  3. Oii Ana, conheço aqui há poucos dias e preciso dizer que me identifiquei de cara!
    O nome do blog então, eu amei mesmo! É preciso um estalo para acordarmos ne?
    Fico feliz que tenha saído dessa :)

    ResponderExcluir
  4. Adorei, Alana. Ainda bem que criou e continuou com o Se eu fosse Alice. Fiquei feliz de ter te conhecido, conversado com você e mais ainda de ver a amizade que surgiu entre a gente.

    Pode ter certeza que vou fazer o post sim! Achei muito legal da sua parte postar sobre um assunto tão delicado aqui, que ótimo que superou :D
    Obrigada pelo convite da foto!!!! <3

    ResponderExcluir
  5. Alana, primeiro parabéns pela sua coragem de dividir sua história com a gente, coragem de não ter desistido e de ter criado o blog, o que foi uma boa terapia pra ti e te ajudou a sair dessa.

    Muita gente passa por isso e as vezes ficam com vergonha de falar com outras pessoas, mas ao verem posts sinceros como o seu, com certeza vão se sentir mais a vontade para procurar alguma ajuda.

    Parabéns pelo post!

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Muito bonia a sua atitude, as fotos só ajudo mais para o post ficar ainda mais especial.

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia esse seu lado, essa sua história. De certa forma é uma história de superação, pois veja quem você é agora... esse blog maravilhoso, com fotos maravilhosas, cheio de amigos blogueiros!
    Difícil é pensar que hoje em dia, muitos passam por isso! Oque é uma coisa muito chata!
    Linda sua atitude ! Parabéns ^^

    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  8. Oi Alana, eu não entendo a necessidade das pessoas de apontar o que elas julgam feio nas outras, em detonar, destruir, rebaixar quem elas julgam diferentes delas. São pessoas infelizes que precisam ver a infelicidade dos outros para se sentirem bem e sabe, no final quem acaba mal são elas! Eu já sofri (e ainda sofro) com isso, mas hoje não dou muita importância não. É porque sou diferente que me faz uma pessoa especial e se todas fossemos iguais o mundo não teria graça.
    Parabéns pelo texto e pela superação, ainda bem que você deu a volta por cima e que criou o Se eu fosse Alice, fico muito contente em ver que deu tudo certo para você e que hoje é uma pessoa feliz!
    Beijos
    Meu blog: a mesma essência

    ResponderExcluir
  9. Me encantei pela sua história !
    É muito bacana ver como as pessoas conseguem dar a volta por cima.
    Você parece ser merecedora de toda a felicidade que tem hoje. Parabéns ! E obrigada por compartilhar coisas tão íntimas e tão bonitas com a gente. Um beijo no coração.

    ResponderExcluir
  10. Oi chará, tudo bem? Vim aqui através do blog da Ana (o bola de meias) por causa do assunto, eu sofri bullying também, mais no ensino fundamental e médio, já na faculdade não sofri, mas o medo disso vir a tona novamente sempre acontece, hoje é um pouco diferente porque peito mais as coisas, graças a uma professora minha que me deu um "banho de água fria". Me sentia como você se sentiu, sempre querendo me isolar de tudo e de todos. Porém o bullying deixa marcas profundas, não nos torna mais maduros ou mais fortes, ou a gente enfrenta nós mesmos ou adquirimos depressão, não é? Contarei um pouco mais em um post específico, aí deixo o link para ver, ok?! Beijos, to seguindo :)

    ResponderExcluir
  11. poxa, acho uma pena. eu sofri um pouco quando sai de casa. mas, foi na universidade que conheci pessoas muito bacanas e que me ajudaram bastante
    mas, realmente esse tipo de atitude acontece. é uma pena, superar esse tipo de coisa te faz uma pessoa melhor e mais forte.
    abraços :)

    ResponderExcluir
  12. Eu vi seu comentário no post da Ana, não sei se vc leu minha resposta. Ms, enfim, concordo ctg. Deixa mesmo o link aqui, ok?!

    ResponderExcluir